Arquivo mensal: novembro 2016

Armani, Giorgio

Giorgio Armani teve inicio simples e hoje é um dos maiores nomes da moda mundial.

Nasceu em 11 de Julho de 1934 na cidade Piancenza na Itália. Seus pais tiveram três filhos, Armani e seus irmão Sergio e Rosana.

A primeira escolha de Armani foi a de estudar medicina, mas após três anos, em 1953, Armani desistiu da medicina e se alistou no exército.

Seu primeiro trabalho com moda foi o de vitrinista de uma loja de departamentos italiana, a “La Rinascente”. Em seguida tornou-se vendedor do departamento masculino.

Em meados dos anos 60 Armani começou a trabalhar como designer de roupas masculinas na “Nino Cerruti”. Seu trabalho era bem visto e ao mesmo tempo ele começou a fazer trabalhos de freelancer para mais ou menos dez fabricantes.No fim da década de 60 ele conheceu Sergio Galeotti, um importante amigo e parceiro de trabalho.

Em 1973 Armani seguiu um conselho do amigo Galeotti e abriu um escritório de design. Ele conseguiu diversos trabalhos com outras maisons e foi reconhecido por seu trabalho rapidamente.

Em 1975 junto do amigo Galeotti Armani finalmente abriu sua própria marca, a Armani S.p.A. em milão. E no mesmo ano ele desfilou uma coleção feminina e uma masculina de primavera/verão.

Seguiu-se então uma sucessão de criações de novas linhas, como a linha de roupas de banho, e a de roupas íntimas todas agradaram ao público e foram um sucesso. E assim, Armani foi administrando suas linhas até decidir que a marca Armani precisava se unir a algo mais jovem, para se conectar com a nova geração.

Em 1980 Armani desenvolveu o figurino de Richard Gere no filme “Gigolô Americano”. Esse trabalho o fez chamar ainda mais atenção para sua marca e começou uma parceria de longo termo com o mundo do cinema. Armani já desenvolveu o figurino de mias de cem filmes, sendo um deles “Os Intocáveis”.

Com elegancia e sofisticação Armani conseguiu montar e administrar um império de roupas de luxo sozinho. Até hoje ele nega pedidos de compras por grupos de conglomerados de marcas.

Suas roupas continuam com aquele toque de neoclassicismo e alfaiataria impecável, e Armani continua a provar que é um dos poucos que consegue se adaptar as diferentes tendências temporais sem perder estilo e elegância.

Abaixo alguns exemplos de logo, roupas, propaganda e editoriais produzidos pela marca Armani.

giorgioarmani

armani-black-dresses-9

armani_beauty_bp1

migueliglesias%2ccamilaqueiroz%2calejandraalonso%2calexandervanballaer%2cmarlonteixeira%2carmaniexchange%2cprimaveraver%c3%a3o2013%2ctendenciamasculina%2cmodamasculina%2cmodapara

 

Bibliografia: Allan, Georgina O’Hara; Enciclopédia da Moda: De 1840 À Década de 90: Companhia das Letras, 2010.

http://www.biography.com/people/giorgio-armani-9188652#synopsis

https://pt.wikipedia.org/wiki/Giorgio_Armani

https://en.wikipedia.org/wiki/Giorgio_Armani

http://www.vogue.co.uk/article/giorgio-armani-biography

http://www.thefamouspeople.com/profiles/giorgio-armani-3346.php

http://www.fashionencyclopedia.com/A-Az/Armani-Giorgio.html

Argyle

É o famoso padrão de losangos. Foi inspirado no tantã do clã escocês Argyle, de onde veio seu nome.

O registro do uso do padrão argyle começa no século XVII na Escócia sendo usado em meias e kilts. O padrão tornou-se famoso no Estados Unidos e na Grã-Bretanha, onde era tricotado à mão, depois da segunda guerra mundial. A marca “Pringle of Scotland”ajudou a torná-lo famoso, assim como um de seus adeptos o Duque de Windsor, Eduardo VIII.

Hoje ele é feito à maquina, encontrado nas mais diversas cores e é mais visto aplicado em suéteres, meias e cachecóis. O padrão é também famoso por aparecer em muitas peças de roupas para o vestuário de jogadores de golfe.

Bibliografia: Allan, Georgina O’Hara; Enciclopédia da Moda: De 1840 À Década de 90: Companhia das Letras, 2010.

https://en.wikipedia.org/wiki/Argyle_(pattern)

Arezzo

A Arezzo é uma marca de sapatos brasileiros.

Foi fundada em 1972 por dois irmãos em Belo Horizonte, Minas Gerais. Na época os irmãos Jefferson e Anderson Birman tinha respectivamente 21 e 18 anos. Com a ajuda do pai, Henrique Lemos Birman, montaram uma fábrica de sapatos na garagem de casa. A produção era em torno de 50 pares por semana. O nome da empresa foi escolhido ao acaso, os irmãos decidiram pegar um mapa da Itália (que exercia muita influência no mundo dos calçados) e apontar aleatoriamente em algum lugar de lá. Foi escolhida a cidade de Arezzo na região da Toscana.

Começaram vendendo sapatos masculinos para multimarcas. O sucesso foi grande e a pedido de lojistas em 1974 começaram a vender sapatos femininos. Logo em seguida em 1976 abriram a primeira loja da marca, que também vendia sapatos femininos.

O primeiro sucesso foi a sandália Anabela, revestida de juta. Foi um lançamento de verão que em 1979 virou sensação nacional. Já na decada de 80 a marca que havia começado em uma garagem, fabricava dois milhões de pares por ano.

Em 1986 foi a vez de abrirem a primeira loja do sistema de franquias, e em 1990 a primeira loja conceito na Rua Oscar Freire, em São Paulo. Nessa mesma época, por causa dos custos, fecharam a fábrica de Belo Horizonte, onde a marca foi criada, e a levaram para o Vale dos Sinos no Rio Grande do Sul acabando com cerca de dois mil empregos. Transferiram também o escritório principal para a cidade de Campo Grande, também no Rio Grande do Sul, onde há o maior centro calçadista do Brasil.

Foi então que a Arezzo passou a ser além de uma simples fábrica de sapatos para ser uma grande rede do setor de varejo de sapatos. A marca passou a investir em si mesma e em seus diversos pontos de venda, o que fortaleceu o seu sistema de franquias permitindo que a Arezzo chegasse a todo o Brasil.

Em 2002 começou a participar de feiras internacionais, conseguindo assim tornar-se global. Em 2004 para virar de vez uma marca fashion a Arezzo contratou a modelo Eletra Rossellini como garota propaganda. Nessa mesma época a Arezzo já tinha grande rotação de produtos dentro de suas lojas, lançando quatro modelos por dia.

Em 2005 veio o reconhecimento de melhor franquia do Brasil, através da pesquisa feita pela Fundação Getúlio Vargas (FGV).

Em 2007 Anderson Birman comprou do irmão Jefferson a sua parte da empresa e logo em seguida comprou do filho Alexandre Birman a marca Schultz, outra marca de sapatos femininos fundada em 1995.

Dessa maneira Anderson criou o GRUPO AREZZO. Ele vendeu 25% do grupo para a gestora Tarcon por R$ 76,3 milhões. A partir de então passaram a cobrir todos os segmentos, criaram uma marca de luxo chamada Alexandre Birman que desfila em tapetes vermelhos e veste celebridades como Jennifer Lopez, Amanda Seyfried e Jennifer Lawrence.

Assim a Arezzo&CO (o GRUPO AREZZO) passou a possuir uma marca para cada mercado do setor de sapatos. Para o mercado de Luxo, veio a Alexandre Birman com sapatos mais artesanais e um custo entre R$ 400 e R$ 800. A Schutz tem um apelo mais fashion e atende um nicho que pode gastar em torno de R$ 230 e a Arezzo, a original, atende ao público que pode pagar em torno de R$ 160. Há também as linhas Uomo, de sapatos masculinos e a Bambini para crianças.

Em 2008 a Arezzo abriu quatro lojas em Xangai, visando o público de classe média alta. A marca também lançou uma coleção de óculos escuros e alguns cosméticos, como bronzeadores, hidratantes e esfoliantes.

Em 2009 lançou uma coleção de esmaltes de oito cores. A coleção fez tanto sucesso que a Arezzo&CO decidiu lançar uma linha de cosméticos de beleza, a Arezzo Beauty, que possui gloss, batom, sombras em pó, kit de sombras e delineador.

Hoje a Arezzo além de ser um grupo é também uma marca de sapatos internacional que consolidou-se como marca fashion usando garotas propaganda famosas, um lucro de mais de R$ 100 milhões e mais de 300 lojas espalhadas pelo Brasil e o mundo.

sapato-arezzo
Modelo da Arezzo
sapato-schutz
Modelo da Schutz
sapato-alexandre-birman
Modelo da Alexandre Birman

 

Bibliografia: Allan, Georgina O’Hara; Enciclopédia da Moda: De 1840 À Década de 90: Companhia das Letras, 2010.

http://www.arezzoco.com.br/show.aspx?idCanal=bXyofIK6e8JK2dJsQ6/wzg==

https://www.arezzo.com.br/institucional/sobreArezzo

http://mundodasmarcas.blogspot.com.br/2009/02/agora-e-oficial_08.html

http://www.suafranquia.com/historias/arezzo.html

Aran

É um tipo de tricô vindo das ilhas Aran, na costa oeste da Irlanda.

O tricô é um desenho em relevo criado ao fiar-se a lã à mão, o que geralmente é feito na cor natural da lã, trançar-la, torcer alguns pontos e formar bolinhas em outros, resultando em uma parte central e dois painéis laterais.

A partir de meados do século XX a aplicação do tricô Aran que era exclusiva dos suéteres passou a ser feita em casacos, cachecóis, Tam O’Shanters, cardigãs, luvas, e mitenes.

O uso desse tricô é constantemente associado a roupas informais.

aranblusa2

4-aranknittingpatterns

Bibliografia: Allan, Georgina O’Hara; Enciclopédia da Moda: De 1840 À Década de 90: Companhia das Letras, 2010.

Aquascutum

Aquascutum é uma firma inglesa criada em 1851 que começou seu trabalho como loja de alfaiataria na “Regent Street n46”. Em 1853 seu fundador John Emary criou uma lã impermeável e logo conseguiu sua patente. Após patentear o novo tipo de lã, ele mudou o nome da loja para Aquascutum, que em latim significa “escudo contra água”.

O tecido impermeável chamou a atenção do rei inglês Eduardo VII. Em 1897 a família real entregou um “certificado real” à Aquascutum comprovando que a loja vendia peças que atendiam as demandas reais.

Para ambas as guerras mundiais foram feitos casacos para os soldados britânicos com o tecido impermeável da Aquascutum. Esses casacos (ou trenchcoats) possuíam dragonas, argolas de latão no cinto, que enfatizavam o estilo militar e iam até os tornozelos.

Depois os trenchcoats começaram a ser produzidos para homens e mulheres civis, e fizeram tanto sucesso que hoje fazem parte da indumentária comum da Inglaterra e do mundo.

 

Em 1953 foi produzido um tecido de mistura de náilon e popelina de algodão para a primeira expedição ao Monte Everest do grupo e da equipe do explorador Edmund Hilary. Logo em seguida foram produzidas capas de chuva com esse mesmo tecido.

Em 1955 mais uma vez em um lance pioneiro, a Aquascutum lançou capas de chuva com as cores do arco-íris, o que era inédito até então, já que as capas antes eram feitas de cores como bege, azul e cinza. No mesmo ano foi apresentado outro novo atrativo em suas capas de chuva, o encurtamento das mesmas até o joelho.

Em 1959 o tecido Aqua 5 foi lançado, ele retirava a necessidade da lavagem das peças a seco.

A companhia já vestiu pessoas como: Principe de Wales, Principe Rainier de Monaco, Sir Winston Churchill, Humphrey Bogart, Lauren Bacall, Sophia Loren, Cary Grant, e Michael Caine. Além do primeiro ministro John Major e da baronesa Margaret Thatcher.

Após diversas vendas e um pedido de falência, a Aquascutum foi comprada pelo grupo YGM Tranding, um varejista de roupas chinesas e depois vendida para um comprador britânico de nome desconhecido.

A Aquascutum existe e funciona até hoje. Sua atual estilista é Kasha Crampton.

aboutus_image3
Uma propaganda antiga dos trenchcoats

 

aquascutum_humphrey_bogart
O ator Cary Grant usando Aquascutum

 

Bibliografia: Allan, Georgina O’Hara; Enciclopédia da Moda: De 1840 À Década de 90: Companhia das Letras, 2010.

http://www.aquascutum.com/asia/stories/i-about-us-aquascutum-since-1851

https://en.wikipedia.org/wiki/Aquascutum

Aplicação

Consiste na tecnica de aplicar pedaços de tecidos a outros tecidos ou peças de roupa.

A aplicação chamou mais atenção na década de 50, quando motivos de feltro eram aplicados em saias godês e depois na década de 70 quando desenhos elaborados eram costurados em jaquetas acolchoadas de cetim.

Hoje em dia a aplicação é comumente usada por qualquer um, havendo grande popularidade dos termocolantes, que podem ser aplicados com o uso de ferro comum e dos parches, que também são de fácil aplicação.

a-volta-da-aplicacao-de-patches-nas-roupas-4

Bibliografia: Allan, Georgina O’Hara; Enciclopédia da Moda: De 1840 À Década de 90: Companhia das Letras, 2010.

Antonio

Antonio Lopez foi um ilustrador de moda de grande sucesso. Nasceu em Utuado, Porto Rico em 1943. Mudou-se para Nova York, na parte espanhola do Harlem com os pais em 1950.

Desde pequeno Antonio mostrava talento para o desenho, e sua mãe, que era costureira o incentivou a se envolver com moda. Ele foi para o “High School of Art and Design”, um colegial voltado para a moda e no começo dos anos 60 entrou no FIT (Fashion Institute of Technology). Lá ele conheceu Juan Ramos, que se tornou se parceiro e colaborador. Foi lá também que ele participou de um trabalho com parceria com o jornal “Women’s Wear Daily”, que chamou atenção para seu talento com o desenho. Por causa dessa parceria entre o FIT e o WWD Antonio largou a faculdade e foi trabalhar para o WWD.

Em 1963 ele saiu do WWD e foi trabalhar no jornal The New York Times, logo ele estava fazendo trabalhos como freelancer para Harper’s Bazaar, Vogue Inglesa and Elle Francesa. Ele também fazia trabalhos para o estilista Charles James.

Em 1969, Antonio e Juan mudaram-se para Paris para um apartamento de Karl Lagerfeld. Em Paris ele logo começou atendendo a um pedido de Andy Warhol para que ele desenhasse diversos desenhos para a revista Interview (de Andy Warhol).

Foi ele quem descobriu as modelos Jerry Hall e Jessica Lange, chegando até a morar em Pariz com Jerry Hall no começo de sua carreira. E junto com Ramos, também apresentou ao mundo Grace Jones e Tina Chow.

Em 1975 Antonio e Juan voltaram para Nova York e abriram um estúdio na Broadway 876 e três anos depois se mudaram para Union Square West. Em 1981 ele começou a trabalhar com Anna Piaggi para a revista Vanity e seu auto retrato foi a capa da primeira edição da revista, em setembro de 81.

Ele relacionava-se com as personalidades da moda que estavam em voga, como fotógrafos, modelos, estilistas e artistas. E trabalhou para diversos estilistas. Seus trabalhos eram feitos em aquarela e eram feitos de tal maneira que as roupas e seus acessórios eram muito bem representados.

Ele faleceu em Los Angeles em 1981 devido a complicações de seu Sarcoma de Kaposi por causa da AIDS.

Alguns de seus trabalhos:

54bce0ba2bc37_-_hbz-antonio-art-1-xln

54bce0ba9cc6b_-_hbz-antonio-art-2-xln

54bce0bb15611_-_hbz-antonio-art-3-xln

54bce0be65236_-_hbz-antonio-art-11-xln

54da81b4971b9_-_hbz-antonio-art-8-de

antonio-1

antonio-2

02385_al_il_figsite
Para a revista Vanity, 1983

 

02388_al_il_figsite
Andy Warhol, 1978

 

110509_5288-720x501
Vogue Inglesa, 1968

 

A seguir um video interessante com depoimentos do próprio Antonio, em inglês:

 

Bibliografia: Allan, Georgina O’Hara; Enciclopédia da Moda: De 1840 À Década de 90: Companhia das Letras, 2010.

http://www.fashionillustrationgallery.com/artist/antonio-lopez/

https://en.wikipedia.org/wiki/Antonio_Lopez_(illustrator)

http://www.harpersbazaar.com/culture/art-books-music/g2190/antonio-lopez-art-and-photography/?

 

Antoine

Também conhecido como Antoine de Paris ou ‘Monsieur Antoine’, foi um cabeleireiro muito famoso. Nasceu com o nome Antes Cierplikowski, em Sieradz na Polônia em 1884.

Ele começou como aprendiz de barbeiro, treinou como ser um cabeleiro com um tio em Łódź, e foi trabalhar para Pawel Lewandowski, o cabeleiro mais famoso da Polônia.

De 1902 a 1906 ele trabalhou para diversos salões de cidades como Paris, Biarritz, Cannes, Deauville, Nice e Londres,e em seguida mudou-se para Paris.

Há uma controvérsia sobre a inspiração para o corte. Perto de 1910 a atriz francesa Eve Levallière, na época com 40 anos, procurou Antoine para um corte de cabelo que a deixasse com cara de 18 anos para uma papel que tinha conseguido. Porém, alguns dizem que o corte surgiu quando uma menina de cabelo curto e franja entrou no salão para entregar algumas cartas, enquanto outros dizem que ele se inspirou em Joana D’Arc. De qualquer forma, foi nessa situação que o corte de cabelo conhecido como “Bob”, na versão de Antoine, foi criado. Mais tarde ele criou o corte “Shingle Bob”, sensação da década de 20, que aqui no Brasil ficou conhecido como o corte Chanel.

Assim Antoine ganhou fama e sucesso. Ele era convidado pela aristocracia da época a viajar com eles, e podia cobrar em um corte algo em torno de 500 francos, o que hoje, em real, estaria por volta de mil libras.

Além do salão de Paris na “Rue Cambon”, em 1925 Antoine abriu um salão em Nova York, que logo tornou-se um dos lugares mais badalados da cidade.

Nos anos trinta foi dele também a idéia de tingir uma parte dos cabelos escuros de loiro. O pico de sua carreira foi quando, na coroação do rei George VI e da Rainha Elizabeth, ele teve que supervisionar 400 cortes de cabelo.

Além de produzir cortes e penteados em seus salões Antoine também vendia produtos próprios.

Algumas de suas clientes foram: Coco Chanel, Sarah Bernhardt, Rainha Marie da Romania, Louise Brooks, Josephine Baker e Greta Garbo, Edith Piaf.

Antoine continuou trabalhando até sua morte em 1976.

man-ray-antoine-ou-monsieur-antoine

A atriz Eve Lavallière com os cabelos curtos

eva-lavalliere

Chanel com cabelos curtos

chanel

Bibliografia: Allan, Georgina O’Hara; Enciclopédia da Moda: De 1840 À Década de 90: Companhia das Letras, 2010.

http://www.timesofmalta.com/articles/view/20120809/world/-Monsieur-Antoine-was-originally-from-Poland.432146

https://books.google.com.br/books?id=9Z6vCGbf66YC&pg=PA164&lpg=PA164&dq=antoine+hairdresser&source=bl&ots=YL5dESsdo8&sig=4t32zBhRVKsDLbcNhYyIRNo6ces&hl=pt-BR&sa=X&sqi=2&ved=0ahUKEwjX44a1kIXQAhVIGZAKHZO3DVsQ6AEIRzAF#v=onepage&q=antoine%20hairdresser&f=false

https://www.hji.co.uk/top-hairdressers/hairdressing-icons-antoine-de-paris/

https://en.wikipedia.org/wiki/Antoine_de_Paris

Anquinha

A anquinha pode ser considerada uma evolução da crinolina. Ela, como a crinolina, é uma armação usada aumentar as ancas da mulher, deixando traseiro ou quadris acentuados.

A anquinha entrou em moda logo após o termino da guerra franco-prussiana, em 1871 e foi usada até 1880, quando foram substituídas pelo bustos. Houve mais de um tipo de anquinha, cada qual com seu tipo de enchimento e formato.

Abaixo alguns exemplos de anquinha

anquinha

06d79e696a0aabb67b1dc58a9ff99425

800px-modification_de_la_taile1872_1877_1880

bustles-1

25939782511_56949ebd1c_h

 

Bibliografia: Allan, Georgina O’Hara; Enciclopédia da Moda: De 1840 À Década de 90: Companhia das Letras, 2010.

https://pt.wikipedia.org/wiki/Crinolina

https://blogsigbolfashion.com/2015/11/09/a-diferenca-das-anquinhas-crinolina/

http://carolarbex.com.br/moda/a-volta-da-anquinha/

https://senhorasnamoda.wordpress.com/2012/03/16/crinolinas-anquinhas-mulher-sofre/